Contact Us

Use the form on the right to contact us.

You can edit the text in this area, and change where the contact form on the right submits to, by entering edit mode using the modes on the bottom right. 

Rua Monsenhor Manuel Marinho
Porto, Porto, 4150
Portugal

Blog nas ondas do hip hop e da música eletrónica de qualidade. Em Português.

Content

Daily Posts about Underground Instrumental Hip Hop, Contemporary Jazz, R&B, Lo Fi & Electronic music

Andrew Ashong

Francisco Espregueira

Andrew Ashong - Don't Know Why/Never Dreamed [Rework]

Quando é que uma música se torna incondicionalmente "minha"?? Estou a falar de a ouvir quer esteja no avião de partida ou no avião de regresso. Estou a falar de a ouvir vezes infinitas, tanto que começo a ter pena de outras que parece que me olham lá do ecrã do meu iPod ansiando que eu vá carregar no play para que elas possam ter finalmente a oportunidade de me impressionar.

A "Flowers" é minha mas também é de muita gente! Eu já mostro a quem não conhece... mas esta é resultado da junção de Ashong ao gigante Theo Parrish. Puff... no topo a partir de 2013, rodando nos iPods e afins de, lá está, muita e muita gente. Gente com gosto? Absolutamente!

Pois é... mas já estamos à porta de 2015 e hoje acordei, liguei as potentes coluninhas que o meu primo me emprestou e lá meti a rodar o disco, e foi com surpresa que mais uma vez vou descobrindo novas coisas naqueles 8 minutos e 52 segundos muito especiais. Lembro da primeira vez que a ouvi: "Well... Mr. Andrew Ashong... it is very nice to meet you!" "Shit don't smell like flowers, sunshine turns to rain" concordei e lá balançei lentamente.

Há uns meses atrás saía um novo EP onde o tipo junta essa a mais umas e tenho que dizer que está top! Baixo puxado, voz quente vinda do além e muita música e mensagem. Lowbeat. Nos caminhos que vão dar à electrónica, trip-hop e ao soul. Especiais também.

Ficam aí as três do costume (com a "Flowers", claro) e mais um vídeo escondido atrás de uma das fotos aí dessa prateleira em cima que muito honestamente, meu amigo, coloca as coisas em outros níveis.

Do sótão pr'ó infinito.

PS: hoje reparei que fico doido no minuto 5:21 quando entra uma batida com eco na música... mais uma vez esta é mágica.